A jornada e os pesos que carregamos.

Atualizado: 6 de mai.

Festival Mundo Homem, 2022, Piracanga, BA, reflexão sobre crenças de esforço, merecimento, ancestrais e libertação...


Então me percebi com aquela caminhada à minha frente, carregando 4 volumes bem pesados, cansado após 26 horas de viagem de ônibus, uma noite curta e mais 2 horas de Ilhéus até Itacaré.


Tudo isso já sabendo que perdi a abertura do Festival Mundo Homem e a manhã do 1º dia...

Mas vamos lá: "Universo, o que está certo sobre isso que eu não estou percebendo?"


Não, eu não vou romantizar o peso! Não vou romantizar o sacrifício, a dificuldade, sendo que há outras formas de chegar à Eco Vila de Piracanga, por que estou vindo por essa?

Em todos os lugares nos quais eu ainda estou escolhendo o excessivo esforço para validar chegadas, conquistas, eu rescindo, cancelo, desapego e descrio agora, por favor!


Tudo isso eu dizia enquanto eu andava e experimentava diversas formas de carregar os pesos, mas era em vão! Todas me cansavam muito! Mas estou indo...


Não tenho mais tempo para chafurdar no drama, tenho um arsenal de ferramentas já testadas com êxito! Inclusive tenho a abertura para milagres e surpresas inesperadas do universo. Atualiza isso Universo, por favor!


Mas enquanto dialogo comigo mesmo, eu sigo andando! Fazê o que? Dói o corpo! Respiro e assereno a mente e as emoções, percebo que o som do mar me favorece nisso! Gratidão que a maré está baixa, que a areia é batida e fácil de caminhar, que o dia está nublado e não um sol a pino, já que é meio dia!


Depois de parar pra descansar algumas vezes, percebo no GPS que ainda não andei nem metade do caminho e já se vai quase 1h!

Estou começando a sentir fome, bebo água e sigo. Universo, como pode ser mais leve e divertido?


Percebo as espumas acumuladas na areia que, ao vento, soltam pedaços que vão se afinando e se tornam como rodas de carro ao vento até sumirem no ar. Minha criança está aqui comigo! Me divirto! Mas o corpo ainda dói e falta muito.


Sigo andando pela areia, chutando e brincando com a espuma cremosa! Então piso num espinho! Não tá pra mim hoje mesmo né? Mas não vou fechar considerações! Xingo uns dois palavrões, arranco o espinho e sigo, agora evitando a divertida espuma.


Porque aquele ônibus de ontem foi atrasar?


Meu transfer estava garantido, era para eu ter chegado ontem e não estar aqui acumulando todo este cansaço a toa! Sem falar nos gastos financeiros a mais que eu tive por isso!


Mas Universo, o que está certo sobre isso que eu não estou percebendo?


Então, Plim! Percebo que já passei da metade! Uau! Percebi que em momento nenhum eu duvidei de mim até aqui, da certeza de que eu iria chegar... Eu não duvidei que se não tivesse carro eu teria condições de andar estes tantos kms que só depois eu soube que eram 7! Outras versões antigas minhas teriam perdido muito tempo no drama e na busca de culpados.

Já tem anos que vivencio as recompensas que o universo me traz quando escolho ser gentil comigo mesmo! Eu não escolheria este esforço todo, mas estou aqui de fato, me resta aceitar! Paro, bebo mais água, aprecio a bela paisagem, pelo menos estou caminhando nesta praia linda! A minha criança está aqui, dou risada de tudo isso, resolvo gravar vídeos para ter um registro de tudo isso! Aparece um caranguejo, brinco com ele, atiço ele. É um animal de poder, tem uma medicina: ancestral, cascadura, ligado às águas (emoções), anda pra traz e de lado... Humm sei... Obrigado senhor caranguejo pela conversa! Mas o tempo está passando e ainda estou perdendo a programação do meu tão esperado festival!


Minha garganta está embargada, me vem à mente a minha família, as histórias, de tanto esforço e trabalho! A vinda de Pernambuco na boleia do caminhão, eu tinha 4 anos, mas me lembro bem!


Eu já descriei todo este padrão, minha vida atual não reflete mais todo o apego ao sofrimento inconsciente que me fazia sentir parte do meu clã! Mas ainda assim estou aqui vivendo um esforço que me parece “gratuito”. A quem pertence isso? Eu devolvo aos remetentes com partículas de consciência!


Vem o carcará voando! Outro símbolo da minha terra Natal, Pernambuco! Ele é um Gavião, portador da medicina do foco, da estratégia e da sabedoria de sobrevoar alto acima das emoções, oportunista e também com as pernas fortes para andar ao chão!

Agradeço e sigo o caminho! Dói tudo e porra! Eu não romantizo esta dor, não é heróico e não é belo, mas se está aqui, eu acolho! Qual é o aprendizado?


A praia começa a ficar muito inclinada e preciso recuar até a parte mais próxima da restinga, onde é mais alto e plano para andar, uau! Quanto lixo! Instintivamente, quero recolher! Mas não posso parar agora, tenho que me ater à prioridade de chegar à Eco Vila!


Poxa! Nem sinal da Eco Vila, confirmo no GPS e vejo que fica ainda depois de cruzar a "esquina" bem lá a frente! Agora já tenho 2 métodos eficientes de carregar as malas, os quais vou revezando.


Não, eu não quero me acostumar que carregar pesos é normal, só porque desenvolvi métodos de tornar menos pesaroso! A quem pertence isso?


Então reflito que não há culpados, nem eu, nem o ônibus, nem as malas, nem a praia!


Estou com barraca de camping, colchão inflável, roupas literalmente sujas e itens que usei para atender no festival Rezo Rio de onde vim direto para cá. Na verdade, eu sou é grato pela barraca que me abrigou por 3 dias emprestada generosamente por um amigo! Nos avisos desta viagem que chegou apenas alguns dias antes, dizia para trazer o mínimo possível de bagagem, mas eu já estava na “estrada”, entende? E pôw tinha o transfer preparado, eu vinha de um outro evento quase em seguida e este fato inclusive me facilitou estar aqui, uma viagem a menos de Arraial do Cabo até o Rio, pois eu já estava lá. Não, não há culpados mesmo!


Só há certeza de que eu posso lidar com isso! Estou chegando! Mas estou cansando.

Cadê a droga do rio?! Meu corpo dói muito, foram 2h de caminhada, talvez eu tenha perdido o almoço.


Primeira tentativa de atravessar o Rio foi frustrada! O Agni aparece na outra margem e me recebe com um sorrisão! Internamente ainda estou puto com tudo isso, mas ele não tem nada a ver com isso, respiro fundo e sorrio de volta. Que bom revê-lo e ser tão bem recebido! Estou feliz de chegar, mas preciso de um tempo para assimilar tudo isso e ser eu mesmo de novo. É triste perceber que finalmente cheguei onde queria, mas não estou tão receptivo.


Recebo as instruções para atravessar em outro ponto do rio, preciso fazer 3 travessias, para levar todas as minhas coisas com segurança, tem câmera e tem computador aqui, pois não são férias, posso precisar trabalhar a qualquer momento. O que estou sentindo é raiva? Raiva o que você está tentando me dizer? Agora sou recebido com um caloroso abraço pelo Samuel! Enfim nos conhecemos pessoalmente, mas nem parece que a gente não se conhecia pessoalmente, agora sim estou de fato me acalmando, ele se oferece para levar uma das malas e seguimos adentrando a Eco Vila que é linda, mas preciso de um tempo para assimilar tudo isso e poder de fato apreciar. Um tempo que não terei.


Mas que sou capaz de lidar, afinal, tudo está passando tão rápido e já cheguei atrasado, sem tempo de reivindicar meu descanso agora. Eu vou me esquecer do peso e da caminhada nos próximos dias, dada a intensidade dos aprendizados e dos mergulhos emocionais entre os mais de 50 homens ali presentes. Minha criança é presente, tenho ânimo e até brinco, mas meu corpo continua cansado e dolorido, ainda assim eu vou acordar cedo para a aula de yoga, e também vou para a festa a noite, afinal isso tudo não vai se repetir, ainda que eu não renda tanto quanto eu gostaria, prefiro estar presente, me surpreendo comigo mesmo e com a energia que me explode. Mas meu corpo dói e é mesmo com todas estas dores que não podem ser vistas que eu consigo viver intensamente todas as experiências. Mas ao custo de muito esforço e de uma certa exploração do meu próprio corpo ainda que com lindas intenções. Éh! Talvez eu tenha mais em comum com meus ancestrais do que o que eu supunha...


Então decido ali no segundo dia, que vou fechar este ciclo com um boa sessão de massagem ali naquele paraíso, é o mínimo que eu posso dar ao meu surrado corpo, meu cavalo fiel que me leva para cada experiência com tanta força e persistência...


Noto neste corpo a força masculina dos meus ancestrais! Dos nordestinos! A força ao carregar pesos e como o corpo se prepara para cada carga a mais, me sinto meio burro de carga também, será que este peso é mesmo todo meu? Noto como os quadris se trancam e as pernas se enrigessem para carregar, trapezios se ativam, abdomem se fortalece, noto tudo isso, porque escolho respirar consciente ainda mais no desconforto, isso é aprendizado da Yoga!

Mas um corpo que carrega muito peso, está todo "trancado" e se trancou para ser mais eficiente.


Hora de tirar a bagagem!


Então percebo lá pelo 3º dia, que esta travessia lá na minha chegada, foi uma conversa profunda com meus ancestrais e com os homens da minha família antes de eu chegar ao Festival "Mundo Homem". Curioso né? Ou pelo menos é o significado que brotou em mim ao escrever e olhar daqui, descontaminado.


No último dia, durante a massagem que quase não aconteceu, este diálogo interior se afinou e se tornou mais consciente, reafirmei ao meu corpo o seu direito de sentir prazer sem culpa... Enfim ele teve o seu tempo para relaxar! Fazia 4 dias que eu tinha chegado, mas meu corpo ainda carregava aquelas malas, ele não consegue sozinho relaxar de volta, ainda que o Roni de hoje tenha mais recurso do que as minhas versões antigas, tivemos uma programação intensa no festival com poucos intervalos e eu escolhi estar presente em tudo. Então finalmente eu cavei um tempo para o meu corpo, celebrei ter um terapeuta disponível para ativar esta permissão, um masculino com as qualidades que eu admiro e busco cultivar em mim, leveza combinada à firmeza. Se vocês forem à Piracanga, recomendo demais o serviço do sagrado irmão @andrerocha.integra.


Daqui de onde vejo, entendo que as gerações atuais precisam aprender paciente e persistentemente a soltar os pesos que as antigas carregaram se querem transcender, sem culpá-las, apenas pela consciência, é assim que as honramos, não acusando, mas também não se apegando a repetir.


Bem, eu achava que seria uma massagem tradicional, mas teve um efeito de “Ayahuasca”, pois aqui é Piracanga, um campo energético extraordinário, uma egrégora de trabalhos espirituais pulsa aqui e nos convida a aprofundar a cada instante. Imagine, se nem uma conversa comum de café da manhã é "simples", de repente estamos mergulhando e acessando várias coisas, quem dirá uma massagem! A conexão que tive com este irmão não foi por acaso, confirmei! A massagem me teve um efeito tântrico, teve choro, espasmos, gargalhadas, catarses, memórias liberadas... E só depois de escrever este texto fui questionar sobre a técnica usada para dar uma informação mais precisa e soube que tratou-se de uma "Massagem Quântica Intuitiva", me fez total sentido o nome! (Veja a descrição técnica no final do texto)


Estes efeitos "transcendentais" não me são novidade, meu corpo tem todas estas janelas da sensibilidade ativas e fico feliz por constatar que tenho cada vez menos vergonha ou medo de me autorizar e me responsabilizar por sentir o que eu já estou sentindo com responsabilidade e consciência-desperta a cada "sim" que pronuncio, principalmente quando me percebo num ambiente respaldado e seguro, ao passo que se mantenha assim. Me é crucial fazer este check list a cada momento ou etapa: ainda quero isso? Ainda é seguro? Meu corpo ainda está aberto para receber? Você escuta atentamente as sutilezas do seu corpo? Afina este diálogo e busca conhecer e usar ferramentas úteis para isso?


A Potência da Vulnerabilidade-Consciente


Eu chamo o estado de percepção ativa de "potência da vulnerabilidade-consciente" que é o oposto da vulnerabilidade-irresponsável que geralmente somatizamos da sociedade e da religião, ou do alcoolismo e das drogas, uma vulnerabilidade que normalmente significa anestesiamento, autoabandono ou fanatismo e entreguismo. Aprendi pela dança, pela art performance, teatro e yoga uma qualidade de entrega que se mantém relaxadamente atenta e desperta-sem-tensão ou pelo menos intenciona a busca de ir se ajustando assim, uma entrega-ativa e ela é tão potente assim porque nos matem presente, participativo, nos surpreende e abre cada vez mais para o que já é nosso e está disponível, tipo downloads de consciência, somos parte do Todo! Mas este estado requer autorresponsabilidade e consentimento expresso a cada etapa ou esta afinação do instrumento que somos, vai se perdendo e pode incorrer em novos traumas, o autoamor é o termômetro.


Durante a massagem, fui me aprofundando em mim mesmo e eu podia ver internamente no meu corpo os bloqueios energéticos criados ao longo de gerações, os quais eu não tinha consciência, apenas deduções, como que pude "conversar" com os homens ancestrais dentro de mim que ainda eram teimosos, rancorosos e turrões... Autossabotadores, apegados... Sempre em conflitos e disputas, sob o controle ou no domínio de um feminino deturpado, omisso ou manipulador. São dois lados da mesma moeda, um casamento interno, cada masculino tem um feminino que lhe complementa e cada feminino tem um masculino que lhe complementa ou lhe espelha até que um deles se altere e o rearranjamento seja demandado organicamente. Vi ali em mim, no corpo, os homens que tentam empacar a evolução porque estão feridos e no fundo, tem medo de se vulnerabilizar e de confiar! "Eles" também sou eu.


Eles se renderam ao toque gentil, porém assertivo que lhes possibilitei e então, me pediram perdão, me "disseram" que achavam que estavam me/se protegendo, eles viveram em outras épocas e se adaptaram a elas, se congelaram ali, me "disseram" que não foi por mal que bloquearam tanto o fluxo e no fim me agradeceram pela escuta, amor e leveza ofertada. Eu pude ver um coro das minhas partes e órgãos saudáveis estimulando as partes intoxicadas a se curarem, como uma grande torcida, foi lindo demais testemunhar isso! Juro que não tinha usado nenhuma substância! Aliás, lá na Eco Vila nem é permitido.


Principalmente as minhas pernas que, não por acaso, representam a raiz, extensões do Muladhara Chakra, desatavam tantas dores e bloqueios... Eu e meus irmãos biológicos temos pernas idênticas! E no ciático, sim, na bunda, pontos doloridos que nunca antes tinham sido tocados, eu nem sabia que existiam. E cada dor liberada me trazia um novo tônus, um novo pulso de energia que encontrava o seu caminho naturalmente até a parte superior do corpo, até o topo da cabeça, como a seiva da árvore subindo da raiz à copa.


Enquanto eu recebia a massagem brotavam em meu íntimo, afirmações positivas que eu repeti pra mim mesmo: “É seguro libertar estas dores e bloqueios!”, “É seguro e justo sentir prazer!”, até balbuciei o canto do Tonguerê (Beija-Flor) enquanto sentia a leveza da espiritualidade se integrando à densidade da matéria do meu corpo. Então eu pude ter desdobramentos da consciência e chorar as dores dos homens da minha linhagem (acho que os de hoje também) que não tiveram as mesmas oportunidades que eu escolho me dar, e eles, dentro de mim, como que me agradeciam, se permitiam experimentar, mesmo com medo, vergonha e depois me pediram perdão por terem me bloqueado durante tanto tempo! Risos. Eles não sabiam que fluir era tão leve e bom.


Eu pude literalmente conversar com cada um dos meus sete chakras enquanto tomava uma água energizada com a cor própria da saúde natural de cada um. Depois fiz um chichi doído e demorado ao pé de um círculo de bananeiras e entendi ali mesmo a renovação de águas internas que estava ocorrendo. Só agora tenho vocabulário para expressar pelo menos parte do que senti, também posso dizer que a parte divina em mim foi lá embaixo, na raiz, contemplar, convidar, integrar, resgatar e acolher, do mesmo jeito que neste grupo de homens temos nos acolhido nestes dias de retiro...


Por quatro dias eu me reuni em Piracanga num retiro em prol de uma masculinidade saudável, um coletivo externo de mais de 50 homens com toda aquela diversidade de homens, héteros, gays, não-binários, autistas, magros, gordos, jovens e mais velhos, brancos, pardos, negros e amarelos, aprendendo a se vulnerabilizar com consciência, imagens que até hoje ainda chegam pra mim, na sensação de olhar para o lado e de repente ver um homem chorando e sendo acolhido por outro, ou se expressando e nos revelando gatilhos internos nossos, semelhanças, tanto em comum, tanto que é único de cada um, homens ensinando com gentileza e sendo ensinados, tantas "fichas" caindo... Descontruindo racismo e homofobia, deturpações do masculino... Tudo isso externo era um total reflexo do meu “coletivo de homens” internos ali na massagem, cansados, em festa, em diálogo, yoga, desabafo, em desconstrução e reconstrução, em luto, em libertação e em upgrade...


E todos eles agora, dentro de mim, respeitaram e escolhem gradualmente tomar a tutela e ao mesmo tempo aprender com a criança interna e com o homem leve que eu também sou, com o feminino e masculino mais atualizado. Eu cheguei!


Eu sei que somos privilegiados de diversas formas por ter a chance de escolher estar ali, mas cada um também teve que pagar um preço que só cada um é quem sabe, muito além do dinheiro. Todo "sim" nosso tem vários nãos inclusos que precisamos assumir. Escrever este texto foi um "sim" que incluiu "nãos" para várias outras atividades que eu poderia estar fazendo, entende? Há muito mais a ser mexido socialmente do que o nosso direito de ter afeto e curas, há muitos outros excluídos que precisam ser incluídos de forma consciente e consistente e fomos lembrados disso também. Mas sinto que começa aqui, de dentro para fora e com este corpo, com o relacionamento com este homem que aprendo a amar olhando neste espelho que somos.


Eu já carreguei muitos pesos e continuo percebendo pesos que eu às vezes carrego sem perceber, mas junto com a capacidade de perceber estes pesos eu também estou desenvolvendo cada vez mais a habilidade de me libertar deles com amor e respeito.


Participe e experimente os círculos de homens online: @portalmundohomem

Foto acima, fotos abaixo 1 (mutirão do lixo!), 2 (vivência do guerreiro) e ainda mais abaixo (círculo no rio): @thallestramon


Piracanga, chegada ao Festival Mundo Homem

Massagem Quântica Intuitiva


"É uma técnica criada pelo André Rocha, morador da Eco Vila de Piracanga, Terapeuta e Educador Físico, canalizada através de estudos e experiências em atendimentos terapêuticos, práticas corporais e do autoconhecimento. Integra várias técnicas terapêuticas como massoterapia ayurvédica, tuiná, liberação miofascial, deep tissue, joint release, leitura corporal integrativa, reiki, tqc cura quântica, ventosaterapia, quiropraxia, aromaterapia, musicoterapia e mais alguns presentes.


Através de uma anamnese, leitura corporal e leitura intuitiva, são selecionadas as técnicas a serem utilizadas. Pode ser realizada com óleos de base ayurveda. Tudo isso de forma orgânica, científica e intuitiva. Cada atendimento é único e específico para o que cada um está precisando no agora. Um momento de se cuidar e entrar em equilbrio. Um bálsamo para sua vida. (Fonte: @andrerocha.integra)


A Ecovila Piracanga


É hoje a mais proeminente ecovila do Brasil. Localizada na Península de Maraú – Bahia, em frente a uma praia paradisíaca e ao rio Piracanga.


Recebe visitantes de todo o mundo, que buscam se inspirar, descobrindo novas formas de conexão consigo e com a Natureza. Seja para participar de cursos e retiros, ou para passar alguns dias nas acomodações e experienciar Piracanga.


O local é um laboratório vivo, em constante tranformação. Com mais de 15 anos de história, Piracanga é berço de inúmeros projetos comunitários com foco na regeneração ambiental e social, e conta com uma rica e diversa comunidade de moradores, que compartilham e buscam um estilo de vida mais sustentável, ecológico e coletivo. (Fonte: https://unah.eco/#o-que-e)


O PORTAL MUNDO HOMEM


Um portal de novas ideias relacionadas às possíveis masculinidades e ao que é “ser homem”. Independentemente de raça, crença, identidade de gênero e orientação sexual, responsável pela realização Festival Mundo Homem em sua segunda edição.


Nós somos irmãos, filhos, pais e tios. Homens que apoiam outros homens a despertar para seu verdadeiro poder através de círculos, oficinas, retiros e cursos on-line.


Com o objetivo de indagar e transformar a forma como os meninos são criados, construir comunidades sustentáveis e deixar um legado próspero para o futuro. (Fonte: https://portalmundohomem.com.br/)


PS: Conheça também os meus atendimentos terapêutico na sessão do site: https://www.ronidiniz.com.br/terapias


Saiba mais sobre o Ensaio Sagrado, uma experiência transcental e ritualizada, na qual oferto um ensaio fotográfico ressignificando a relação com a nudez e com próprio corpo aqui em praias desertas de Arraial do Cabo, RJ. A Etmologia da palavra "sensual" é sensuālis,e 'relativo aos sentidos, dos sentidos, relativo às sensações', sentir a natureza que habita o seu ser e corpo.

https://www.ronidiniz.com.br/ensaios-sensuais


POSTS RELACIONADOS


Sobre o 1º Círculo de Homens que eu fui em 2018: "Quase corri da roda de homens pela masculinidade saudável!":

https://www.ronidiniz.com.br/post/2019/09/20/quase-corri-da-roda-de-homens-pela-masculinidade-saud-c3-a1vel

Falocentrismo ou (Fake)centrismo?

https://www.ronidiniz.com.br/post/falocentrismo-ou-fakecentrismo

Como eu lidei com a depressão

https://www.ronidiniz.com.br/post/2019/04/29/como-eu-lidei-com-a-depress%C3%A3o

Performance HOMENS - Diário de Bordo 2017

https://www.ronidiniz.com.br/post/2018/04/13/performance-homens-di%C3%A1rio-de-bordo

Machismo e Sagrado Feminino: Diário da Performance Sopro de Vida

https://www.ronidiniz.com.br/post/2017/12/08/Machismo-e-Sagrado-Feminino-Di%C3%A1rio-da-Performance-Sopro-de-Vida



71 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
Encunciado.jpg