Nasceu a Lótus completa, padmasana. Como lidar com a dor?


Nasceu a Lótus completa, padmasana. Como lidar com a dor

Quando eu recebi o primeiro certificado no Nível 1 de Yoga, eu não fiz post, mas celebrei bastante, tivemos a prova em agosto, tive que separar 5 páginas de cada apostila para estudar por dia, durante a viagem de férias que fiz ao Jalapão. Na real, sei que o certificado é importante para o nosso mundo, quero sempre o meu sim, já coleciono alguns, mas para mim, meu verdadeiro diploma de Yoga até aqui é a Flor de Lótus Completa! Não necessariamente a foto ou simplesmente o fato de conseguir fazer, mas todo o processo, consciência e o diálogo com o meu próprio corpo que ela demandou ou proporcionou…

Na real, eu estou pouco me lixando para me “iluminar” ou para provar mais alguma coisa para alguém ou para as muitas das vozes sociais que ainda habitam meu mundo interno e ainda me cobram resultados. Eu estou interessado hoje e cada vez mais é em saber se estou sendo cada vez mais eu mesmo, se o que expresso é autêntico e, de fato, se cada escolha minha realmente fala a minha verdade… Eu vou prestar contas comigo mesmo e tenho prestado! Quando eu como algo que meu corpo não queria comer, geralmente eu presto contas é no mesmo dia! Assim também acontece quando eu minto para mim mesmo...

Por isso, por atual e cada vez mais consistente cultivo do desapego aos resultados é que nunca me preocupei antes com o fato de não conseguir sentar em flor de lótus e hoje reflito, me recordo que foi exatamente este cansaço de cobranças externas e autocobranças uma das coisa mais relevantes que me fez me aproximar finalmente das pessoas exatas que foram uma real contribuição para minha evolução até aqui, bem como o meu afastamento de outras. Comecei a meditar somente há 4 anos atrás, justamente porque os meios que me foram ensinados não exigiam nada dessas cobranças pesadas e invasivas, meditei, durante os primeiros períodos, sentado numa cadeira mesmo, apenas com o objetivo de relaxar, de fazer meus trabalhos com um corpo menos tenso e experimentar novos resultados!

Na minha primeira iniciação em Kriya Yoga, ano passado, num retiro de 3 dias, algo similar, porém, mais ferramentas, mais práticas, sempre acolhendo tudo com este “formato”: “Praticar “regularmente”, isto é, aceita-se falhas, mas não desistir”, “Perfeito é superficial porque leva ao estresse”... Esta fala da nossa mestra de Kriya Yoga está anotado a lápis na minha apostila por mim mesmo. Uma das maiores graças do Yoga para mim é justamente reconhecer que o meu corpo não é um empecilho, mas sim um dos meus maiores motivadores e expressão da minha evolução, ele me comunica tudo e cada vez mais claro, ele me incentiva e vai me mostrando cada lugar aonde eu devo atuar, não é apenas o “conseguir fazer”, mas sim o “COMO” eu escolho fazer para chegar!