"Auto-Expressão é Empoderamento" e Falas do Diretor Antunes Filho


"Auto Expressão é Empoderamento" e Falas de Antunes

A cada nova fase artística eu constato, dentre um milhão de outras coisas, que a auto-expressão, pode ser uma poderosa forma de autoconhecimento e micro revoluções! Já faz um tempo que algumas falas do expoente diretor de teatro Antunes Filho rondam meu universo interno me impelindo a escrever sobre…

Recentemente, iniciei mais uma aventura, quem diria, como “professor”, coloco entre aspas porque eu nem me sinto confortável sendo chamado de professor, pois me considero eterno aprendiz e quando transmito algo que eu aprendi, sempre constato que realmente estou apreendendo-o duas vezes, é um movimento incrível, como se lançasse novas luzes sobre antigos assuntos, aprofundasse, dichavasse… Atualmente, estou compartilhando saberes de fotografia numa ONG aqui do Campo Limpo para pré-adolescentes e jovens adultos (vou deixar o link no fim do post a ONG super precisa de voluntários). Preparar as aulas me demanda um movimento lindo de organizar o conhecimento de uma forma que o torne o mais acessível possível (como ocorre quando escrevo aqui também), estar em constante contato e observação de mim mesmo também, principalmente em todas as experiências que eu mesmo tive como aprendiz, lembrando sempre: O que me encanta? Me estimula, me desanima ao aprender, ao me expressar… Tudo para aprender, de novo aprender, sobre o jeito de cada um de aprender e descobrir sua própria voz dentro da arte da fotografia! Isso porque eu não vejo muito valor em simplesmente despejar conteúdos. Considero a Autonomia algo crucial na vida de um fotógrafo! O famoso "ensinar a pescar"... Ouso fazer sinapses o tempo todo do processo de fotografar com as relações humanas e com a vida. Acredito que esta percepção da praticidade e relação do que se aprende com a própria vida, estimula o aprendizado e aproxima os temas. Certa vez uma das estudantes me disse que tava parecendo uma aula de psicologia, pois me aprofundei falando sobre como o nosso subconsciente se manifesta na fotografia e em qualquer arte, bem como em nossos comportamentos. Em outra das nossas conversas mais recentes, revisitei a “integração potente” de uma consciência atenta sobre o quanto a função de entregar imagens ao mundo está absolutamente relacionado com a nossa capacidade de receber e apreciar; é a nossa abertura que sempre determina, amplia ou reduz nossa potência de ofertar…

“A fotografia se tornou um meio de expressão muito mais auto reflexivo, consciente de sua história e capaz de se aproveitar dela com maturidade. Consequentemente os movimentos de continuidade são tão formidáveis quantos os de ruptura…

A tensão entre a fotografia como registro de fatos e como expressão artística esteve presente em todas as etapas de seu desenvolvimento na qualidade de arte.” “Tudo Sobre Fotografia” de Juliet Hacking